Skip to content

Foi-se.

02/14/2011

O futebol abandonou Ronaldo e hoje ele oficializa a separação.

Quando sua carreira chegou ao maior clube da face da Terra, devemos lembrar que a mídia dividiu-se entre os profetas do fracasso e os eternos baba ovo. E eu, que o vi jogar no auge da sua forma quando fui à Copa de 98, duvidava de que ele seria fenômeno suficiente para fazer o que fez no Paulista e na Copa do Brasil de 2009.

O seu momento mais marcante para mim é o que está na imagem no título do blogue. Estavam vendo o jogo, eu e meu filho (na época com 6 meses, que tirava sua sonequinha na cama de casal ao meu lado). Saiu o gol do Palmeiras e Timão não se achava em campo. Quando o gordo entrou no 2º tempo, meu filho acordou e eu,  para me distrair do jogo e diminuir minha iminente frustração, comecei a cantar para ele musicas da arquibancada.

Mais aí ele pega e cruza aquela bola.

Dribla e chuta na trave.

Faz seu 1º gol e logo é um “aqui é Corinthians!”

ronaldo11

Só que o Corinthians é campeoníssimo em falta de organização e deixaram o cara mandar no clube — o que é diferente, vejam, de regalias justificáveis para as estrelas (justificáveis mais porque o futebol é conservador a ponto de ainda manter e acreditar em concentrações).

Quando ofendeu aquele que é a razão de sua existência, entendi que já era hora de tomar um pé na bunda ou uma clássica multa acachapante. Estava 3,65% errado. Não pesquei que ele começava a se tornar um Chefão dentro do Time e o problema era de direção.

Deveria ter exigido não jogar as partidas do início do Paulistão para aparecer com alguma condição de jogo contra o Tolima. Deveria exigir jogar apenas 1 vez  por semana e entrar apenas no 2º tempo. Não deveria ter jogado a Libertadores no ano passado.

No Corinthians atual, temos de tudo, menos um pingo de inteligência.

Termina a carreira de um dos maiores craques da história do futebol mundial e que teve a oportunidade única de encerrar a carreira vestindo a camisa mais importante do mesmo futebol mundial.

Para quem não sabe ou nunca se deu conta, começa agora para Ronaldo duas dores terríveis: o baque psicológico do fim da carreira (que Falcão chama de morte) e a dor física. Essa última causada pelas destruição que o futebol de alto desempenho causa no corpo humano.

Vai doer em Ronaldo para sempre. Mas ele sempre poderá se lembrar que teve a felicidade de jogar pelo Coringão!

invictos1
Em tempo: esse vídeo também é do cacete:

Anúncios
8 Comentários leave one →
  1. Luís Fontes permalink
    02/15/2011 11:21

    Quanto ao Ronaldo, vai tarde, deveria ter parado na ocasião que quebrou a mão e retornou no final do ano 2 vz mais gordo do que quando se apresentou no clube pela primeira vez. Ali já dava para imaginar o que seria o Ronaldo na sobrevida da sua carreira.

    Valeu, foi bom enquanto jogou, foi excelente para o Mkt do clube e para conseguir patrocinadores, mas a um bom tempo ele atrapalhava o time. Por mais que não jogasse todos, inclusive os técnicos e jogadores, ficavam esperando uma volta triunfal do gordo que daria uma solução nos problemas do time.

    Finalmente acabou a era Ronaldo e comemoro isso porque essa foi uma das melhores coisas que nos aconteceu e é capaz de fazer a diretoria acordar e cair na real.

    Ronaldo parou! Triste? que nada, feliz pq realizou tudo o que milhares de brasileiros sempre sonharam. Conquistou tudo e mais um pouco, foi Fenomeno de verdade. Então Parabens para ele, gostei de ver ele em 2009 no Coringão fazendo chover dentro de campo, foi um marco no Mkt esportivo brasileiro e um case de sucesso que abriu portas para os retornos de robinho e r.gaucho. Agora acabou e fim de papo. Temos que enterrar o passado e pensar só no nosso futuro, pois isso é o que importa agora.

    Tomara que daqui pra frente a nossa ADM seja mais coerente, honesta e pense não só nas negociatas com empresarios, mas tb em trazer relamente atletas competitivos e que possam dar ao clube condições de jogar um futebol de alto nivel, pois é só isso que me importa nesse momento!

    Curtir

  2. Márcio permalink
    02/14/2011 22:48

    O fim da carreira do Ronaldo me fez pensar em várias coisas que, a princípio, podem parecer deconexas, mas entendo que elas se encaixam.

    Para mim, a primeira dessas coisas é ter tido o orgulho de ver um dos maiores do mundo com a camisa do maior do mundo. Juntaram-se duas das mais valiosas marcas do planeta – e o termo “marcas”, aqui, passa ao largo de ações de marketing ou business. Afinal, estamos falando de uma torcida que tem um time – uma das tantas frases cunhadas para nos definir e que mostra de onde vem essa força. Daí vem as ações de marketing e tudo o mais. Ou, com todo o respeito ao time para o qual torce minha esposa, alguém vai fazer investimentos em ações voltadas ao Juventus da Moóca?

    E aí que a coisa deve parar – nesse orgulho. Digo isso porque já ouvi, durante o dia, gente querendo saber “como o Corinthians vai fazer sem o Ronaldo”. O ponto de reflexão principal aqui é: o Corinthians exisitiu, com toda a sua força antes do Ronaldo, e assim seguirá daqui por diante. Afinal, estamos falando de um time que, no auge de uma de suas maiores crises, conseguiu o maior patrocínio do futebol brasileiro… disputando a série B!

    Outra coisa para se pensar é de que forma o Corinthians se estruturou – leia-se “aproveitou” – o fato de ter um jogador desses no elenco. Com tantos recursos injetados no clube via patrocínios obtidos após a chegada do Ronaldo, é de se espantar que a diretoria tenha conseguido aumentar a dívida do Corinthians. O fato é que, definitivamente, os clubes brasileiros não sabem lidar com muito dinheiro. Sofrem da síndrome do novo-rico, achando que os recursos que entram são inesgotáveis e, lá na frente, o tombo é feio. Era sabido que o Ronaldo pararia em pouco tempo quando contratado em dezembro de 2008. E como a diretoria se planejou para se aproveitar disso, para tirar proveito de uma oportunidade de ouro? Neste quesito, o Palmeiras é case para estudo. Durante a tal “era Parmalat”, dinheiro jorrava feito água no Parque Antártica. Só que acharam que a fartura seria eterna, não se estruturaram de forma a viver sem o co-gestor. E o resto da história nós conhecemos.

    Agradeço a Ronaldo pelo que fez, principalmente em 2009. Mas minha preocupação maior está voltada para esta quinta, 21h50, quando entraremos novamente em campo. Mesmo com o time jogando um futebol como o de ontem, estarei torcendo, juntamente com 30 milhões de loucos do bando. É assim que somos, é assim que incomodamos tanto os antis, e é assim que devemos seguir. Um ídolo para. Mas o Maior de Todos segue escrevendo sua história.

    Curtir

  3. Cesar Augusto permalink
    02/14/2011 22:19

    O Ronaldo tomou a melhor decisão para ele e, neste momento, para o clube.

    O clube não poderia ficar refém do Ronaldo que, por sua vez, não poderia ficar refém de suas últimas atuações, sob pena de manchar o seu brilhante passado, como um dos maiores jogadores da historia do futebol brasileiro e mundial.

    A verdade é que, apesar dos percalços e da má forma física, foi um grande prazer ver o Ronaldo no Corinthians.

    Querendo ou não, mesmo em momentos mais efêmeros, o Ronaldo calou a boca de muita gente. Lembram que a contratação do Ronaldo, embora bombástica, foi tratada como se fosse apenas marketing e business.

    E ele, após a partida contra o Palmeiras, em Presidente Prudente, provou mais uma vez o seu enorme potencial.

    Nos deu o Paulista, invicto, com uma equipe bem ajeitada e com gols fenomenais e decisivos. E nos deu a Copa do Brasil. De lá pra cá, não só ele, mas o clube decepcionou.

    Não evoluímos como deveríamos e viramos refém do Ronaldo, que mandava prender e mandava soltar. Hoje, infelizmente, não dava mais. Como diria Celso Russomano, foi bom para ambas as partes.

    Ronaldo vai, assim como tantos outros foram, mas o Corinthians, meus amigos, continua firme e forte, apesar do tom apocalíptico da mídia esportiva.

    O Corinthians perderá dinheiro, óbvio, mas nem tanto. Não nos esqueçamos que antes do Ronaldo, o Corinthians, com a Medial Saúde, já era detentor do maior patrocínio do futebol brasileiro. A grandeza não está atrelada a ídolos, nem a títulos. O Corinthians é gigante pela própria natureza.

    Com grana ou sem grana, o Corinthians segue com o dom da eternidade.

    E Ronaldo, que foi um monstro de jogador, entra, definitivamente, na história. No rol dos grandes craques.

    Aliás, lembro que em 1996, o Barcelona, Ronaldo fez 30 gols no Campeonato Espanhol e alguns despeitados disseram que só fizera tantos gols porque os espanhóis marcavam mal, o que é verdade.

    Queriam ver na Itália.

    E viram, em 1997/1998, Ronaldo fazer 32 gols no Campeonato Italiano. O cara era um fenômeno e se não fossem as terríveis contusões, poderia ser, ainda, maior.

    Foi fantástico, pura e simplesmente, mas, por incrível, algumas bestas o diminuem, muitas vezes, por um simples motivo:

    Ele foi mais um louco no bando de loucos. Isso doeu demais na alma dos antis que, antigamente, o idolatravam, mas jogando no Corinthians, os defeitos eram mais importantes que as qualidades.

    A contratação do Ronaldo tinha tudo para dar errado, mas incrivelmente deu certo 100% no marketing/business e, pelo menos em 2009 e no fim de 2010, foi importante no campo.

    Então, meus caros, nesta relação, ninguém deve nada para ninguém.

    O Corinthians teve exposição como nunca.

    E o Ronaldo teve um fim digno jogando no maior e mais importante clube do Brasil.

    Ambos fenômenos.

    Curtir

  4. Daniel CMS permalink
    02/14/2011 21:58

    Tivemos o prazer de ver uns 50% do que foi o auge do Fenomeno em 2009, mas ja foi suficiente pra deixar saudades, saudades que comecaram em Janeiro de 2010.

    Que orgulho e honra te-lo visto jogar pelo nosso time. Obrigado, Ronaldo.

    Curtir

  5. Renato permalink
    02/14/2011 15:59

    Palavras de um Fenômeno:

    “Tenho de fazer meu agredecimento a todos os brasileiros que choraram comigo quando eu chorei e que caíram comigo quando eu caí.

    Mas, dessa torcida brasileira toda, eu quero agradecer a do Corinthians.

    Nunca vi uma torcida tão vibrante, tão apaixonada e tão entregue ao seu time de futebol.”

    E lágrimas corinthianas…

    ###

    O depoimento de Ronaldo se junta à descrições superlativas do Corinthians, de autoria de, dentre outros, Sócrates, Parreira, Marcelinho Carioca, Gamarra, etc, etc.

    Fato (insuportável para os anticorinthianos): nada se compara ao Corinthians.

    Curtir

  6. Emboava permalink
    02/14/2011 15:56

    Acho que ele fez o correto. Já era um ex-jogador em atividade desde o ano passado senão antes. Mas ele foi quem trouxe os patrocidadores então não podia sair. Valeu Ronaldo pela ilusão que nos destes.

    Agora o Corinthians vai ter que assumir a responsabilidade pelas vitórias e pelas derrotas. E o Chicão vai poder ser o capitão da equipe como merecido.

    Sua aposentadoria foi a melhor ‘contratação’ do ano. Agora ele não irá atrapalhar mais. Se eu fosse o Andrés tentaria a contratação do Fernendo Baiano que está com os reis do petróleo.

    Vai Corinthians!!!

    Curtir

  7. mucio rodolfo permalink
    02/14/2011 13:59

    Ronaldo tomou a decisão correta. Ele não estava mais sendo util para o Corinthhians e corria sério risco de se tornar uma caricatura de si mesmo – se é que isto já não estivesse ocorrendo. VAi fazer falta ao Corinthians? Ai depende. Se tivesse no estágio de 2009 faria muita falta. No estágio atual nenhuma. E notem que ele teve todo tempo do mundo para atingir a forma mais ou menos ideal. E vou citar aqui mais um ponto: agora o elenco não terá mais em cima de quem jogar a responsabilidade. Era muito para cabeça, ouvir comentários do tipo o time sentiu a falta do Ronaldo. Um time de veteranos se escondendo na sombra do Ronaldo. O Corinthians vai ter que aprender a viver sem o Ronaldo. Se a gente verificar que o ano passado, o clube praticamente não contou com o fenômeno não deve ser tão difícil assim. O problema é que perdemos o Elias, o Dentinho se perdeu em firulas, o Bruno Cesar falou mais do que devia (ou falaram por ele)……A despedida do Ronaldo obriga a diretoria e a comissão técnica a resolver tais problemas.

    Curtir

  8. jeff permalink
    02/14/2011 12:45

    Foi bom enquanto durou, ou seja, o segundo semestre de 2009. Não nos enganemos: enquanto tinha uma esperança, mínima, de ir à Copa, Ronaldo deu o sangue. Com o não de Dunga, nem ao menos a oportunidade de terminar a carreira conquistando a Liberta pelo Timão o motivou.
    Concordo com o fato de que em 2009 ele entrou em campo apenas em março. Tvz a comissão técnica pudesse ter pensado melhor seu aproveitamento nos anos seguintes. Porém, encaremos: se ele quisesse, realmente, tudo seria mais fácil. E ele não queria; ou até queria, mas já não conseguia ter tesão.
    Fato é que sua falta de tesão somada a seu poder financeiro e ao “que tudo se exploda” de nossa diretoria deram-lhe um enorme poder; poder ester que, humanamente, ele usou para o mal. Tornou-se uma liderança negativa. Compare o poder de Ronaldo com o poder que um dia Sócrates e Casão tiveram em mãos. E compare os resultados, as consequências, os significados. No último ano de Corinthians, Ronaldo era sinônimo de preguiça, desculpas esfarrapadas, colchão de banha pra maracutaia… E os outros jogadores sentiam isso, claro. E se sentiam no direito de entrar na festa, e não trabalhar.

    Por isso, digo: vá, sua história é bonita, e vá em boa hora, pois já estava ficando veio pra você, e para o Coringão.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: