Skip to content

Uma proposta real para democratizar o Corinthians.

01/10/2012

Por Paulo

Rafhael e Emboava, há algum tempo venho defendendo a abertura do voto para a Nação Corinthiana, como uma medida de vanguarda democrática que se anteciparia a uma contingência futura que vejo simplesmente como inevitável, a longo prazo, nos grandes clubes de futebol brasileiros.

De fato, a par da constatação de que todos esses “clubes-nação”, no Brasil, hoje, pecam por absoluta falta de representatividade de seus eleitos e indicados para cargos diretivos, tanto para a presidência como para os demais cargos de diretoria, e terão, portanto, em algum momento, que rever essas eleições “indiretas e biônicas”, se quiserem realmente evoluir e contemplar com justiça os principais “clientes” da marca, para usar palavra do jargão econômico e do marketing, há que se considerar também o fator pressão por participação efetiva que, com a escolarização progressiva dos torcedores, far-se-á sentir de forma crescente ao longo dos anos.

O Corinthians, por exemplo, apenas para nos cingirmos ao maior de todos, tem estimados 30 milhões de torcedores, que representam em importância – e aqui considero não apenas faturamento –  uma fatia imensuravelmente maior do que aquela que representam – ou poderiam representar – alguns poucos milhares de associados que, ademais, nem precisam ser corinthianos.

Se a atual forma de organização jurídico-administrativa era a única que se vislumbrava até hoje para uma entidade clubística, é preciso considerar que a extensão do nome Corinthians para muito além dos limites paroquiais do PSJ, transformando-o numa das maiores instituições da sociedade brasileira, está a exigir uma nova configuração associativa, mais plural e representativa dos interesses dessa massa, e, portanto, mais legítima (talvez nem seja necessária, a rigor, uma alteração na legislação brasileira, já que, dentro da noção de entidade associativa existente, nada mais faríamos que algumas mudanças estatutárias que incorporariam sócios e direitos). Se se teme, num primeiro momento, um processo de abertura tão amplo para o torcedor corinthiano – assim caracterizado e devidamente credenciado, naturalmente -, que se comece então com os inscritos no programa sócio-torcedor, numa primeira etapa, e que marchemos para horizontes mais amplos, no futuro.

Mas que esse novo tempo chegue logo, porque em todos esses anos o que temos visto é um Clube refém de grupos que se revezam no poder do Clube sem nenhuma transparência e, de ordinário, completamente alheios à idéia de prestação de contas e de satisfações aos torcedores que as urnas, por si só e de uma penada, imporiam aos candidatos e eleitos.

Sei que esses grupos, tanto da situação quando da oposição, encastelados no Clube, oporiam forte resistência à idéia, mas como os estatutos atuais já contemplam abertura para os sócios-torcedores, cumpre-nos apoiar a idéia da abertura ampla, total e irrestrita, afinal, não foi assim também com a extensão do voto, nas democracias liberais, aos pobres, mulheres e analfabetos? Não vejo porque deveríamos nos contentar com menos.

É como penso.

Anúncios
One Comment leave one →
  1. 01/11/2012 17:19

    A proposta é boa e apoio. Cabe lembrar, porém, que mesmo o voto direto para presidente para os sócios do clube só foi aprovado no Corinthians com o noivo estatuto, de 2008, se bem me lembro. Aposto em mais uns bons anos antes do ambiente político favorecer uma abertura maior…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: